MY CHANGE C🌻(M) VID(A) | Parte III

A iniciativa foi tão bem recebida que decidimos fazer dois novos webinares!

Foi em conversa com alguns clientes e amigos da MY CHANGE que surgiu a ideia de promover webinares acerca do que há de positivo neste novo contexto.

Já foram realizados dois webinares, e o próximo será exibido em direto no dia 23/07, quinta-feira, às 18:00, e será uma conversa entre João Tavares, CHRO da Teleperformance, líder global em customer experience, e a nossa sócia da MY CHANGE, Teresa Fialho. Ele irá partilhar, dentre outros temas, como a Teleperformance manteve-se ativa durante a pandemia.

No primeiro webinar assistiu-se a uma conversa entre António Saraiva e Maria João Martins, que falaram acerca da Agenda das Novas Oportunidades. Já no segundo, tivemos uma tertúlia com Eduardo Correia (CEO TagusPark) e Sérgio Luciano, moderada por Teresa Fialho (Partner MY CHANGE), centrada no tema Gestão de Pessoas e suas aprendizagens nos últimos 3 meses.

CONHEÇA OS ORADORES

JoaoTavares   JOÃO TAVARES, CHRO Teleperformance

É licenciado em Psicologia pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada.
Teve sólidas experiências em multinacionais como Volkswagen, EDP e Intercement, nas quais desempenhou funções na área dos Recursos Humanos. É especializado em Human Resources Development, Change Management e Coaching, competências que adquiriu ao longo da carreira.
Em Maio de 2019, assumiu a posição de CHRO da Teleperformance Portugal, empresa com mais de 10.000 colaboradores, de 95 nacionalidades, considerada como uma das melhores empresas para trabalhar em Portugal, pelo Great Place to Work Institute, pela revista Exame, e uma das empresas com mais crescimento em Portugal nos últimos 10 anos, segundo o Expresso, a Informa D&B e a Deloitte.

WebinarTeresaIMG_7175  Teresa Fialho – Partner MY CHANGE

É licenciada em Direito pela Universidade Católica Portuguesa.
Começou a sua carreira em Espanha, onde, durante quatro anos, desempenhou funções nas áreas de gestão de lojas e de gestão de projetos de qualidade.
A partir de 1994 integrou a empresa de consultadoria Iberconsult, tendo gerido projetos de Formação Comportamental, Recursos Humanos, Coaching e Comunicação interna.
Entre 2003 e 2006 trabalhou na Deloitte, como Manager da área de Human Capital. Em Julho de 2006, formou com Maria João Martins, a MY CHANGE.
É certificada em Coaching pela ICF (International Coach Federation) e em Change Management pela LaMarsh International.

Para inscrever-se, aceda a este link. 

Não teve a oportunidade de acompanhar os webinares anteriores?

Nós publicámos o conteúdo do Webinar I no YouTube, no canal da MY CHANGE!
Para assistir, clique nas hiperligações abaixo:

Parte I

Parte II

Parte III

Webinar Parte1

O conteúdo do segundo Webinar será publicado na próxima semana!

Continuem ligados, a MY CHANGE continua ativa e consigo.

MY CHANGE: Somos Pessoas Girassóis

Estamos a viver um novo mundo. A nova realidade, à qual chamamos “o novo normal”, pede-nos grandes adaptações.

A MY CHANGE seguiu este fluxo e, sendo uma empresa Girassol, fez dos seus clientes a luz que guiou as suas decisões.

As empresas tiveram de mudar rapidamente, reinventaram processos e moveram as suas pessoas, e tudo isso com apenas um objetivo: manter a relevância no mercado, atendendo às necessidades impostas pelo NOVO.

Como especialistas em Gestão da Mudança, estivemos sempre dispostos a mudar os nossos processos, criar novos métodos e adaptar o que fosse necessário. O resultado está no vídeo, que preparámos com muito carinho.

Venha ser também um Girassol, e viva a mudança connosco!
Para assistir, é só clicar aqui.

Não teve a oportunidade de acompanhar o nosso lançamento do Canal?
Veja abaixo o nosso vídeo: Os 12 Passos da Mudança!

VideoGirassol

Teletrabalho: um produto MY CHANGE à medida

Antes da pandemia, 60% das empresas portuguesas não tinha política de teletrabalho.

O “novo normal” tem movimentado o mundo das empresas.

Faça parte!

A MY CHANGE desenhou um produto à medida das empresas que querem fazer parte da mudança. Acreditamos que, com uma Política personalizada de trabalho flexível, não perderemos os ganhos percebidos pelos colaboradores, oferecendo-lhes a possibilidade de seguir tendo uma via para trabalhar remotamente. Isto deve ser feito de maneira organizada, com confiança, alinhamento interno e autonomia para os colaboradores.

Terá sempre que ser bom para os Colaboradores, mas também bom para a Organização.

Para mais informações, fale connosco: info@mychange.pt

VISÃO: Patrícia Costa, CFO do Grupo Future Healthcare

“Tomar decisões com a cabeça, sem faltar coração”.
Quais são e quais serão as medidas adotadas pelo Grupo Future Healthcare relativamente à sua Gente, nestes tempos que vivemos?

O Grupo Future Healthcare tem como missão “proporcionar aos seus clientes acesso às melhores condições de saúde, vida e bem-estar” e, não o poderia fazer sem que os seus colaboradores também as tenham, quer em Portugal quer nas diferentes empresas do Grupo em outros países. Por forma a dar cumprimento a esta função, procurámos em primeiro lugar salvaguardar a saúde dos colaboradores e famílias, seguindo de forma rigorosa as recomendações oficiais, em particular da DGS. Foi um desafio enorme, colocar praticamente toda uma empresa em trabalho remoto. Foi necessária uma dinâmica de toda a organização, com a realocação de material, ajuste de formas de trabalho, de gestão de equipas bem como, de toda a forma de gestão e monitorização da produtividade de pessoas e sistemas. O cumprimento dos níveis de serviço aos clientes definidos com os mesmos e dos seus interesses são cruciais para nós, e a sua manutenção foi também um dos nossos objectivos primordiais. A equipa está a ter uma óptima resposta ao trabalho remoto, demonstrando uma enorme responsabilidade e capacidade de adaptação. A comunicação é fundamental neste processo, pelo que aumentámos o contacto com todas as geografias usando uma Newsletter com partilha de informação e curiosidades, que na realidade gerou uma onda positiva muito além do que tínhamos previsto, e que teve o enorme mérito de aproximar todos os colaboradores em torno do que é “Ser FH”. Por outro lado, pretendeu-se garantir a continuidade e crescimento da empresa e dos postos de trabalho, antecipando com medidas concretas a crise económica e financeira que já teve início, continuando a avaliar estas medidas a cada momento. E por fim, sendo nós um Grupo com matriz na inovação e olhar constante nas necessidades das pessoas, procurámos ajustar a oferta da nossa prestação e assistência médica a esta nova forma de entrega em remoto, e lançámos a telemedicina, com a Virtual Clinic.

Sabemos que, apesar de ocupar uma posição importante na área Financeira, a Patrícia também é uma líder muito sensível às pessoas. Como resumiria o grande desafio de equilibrar as duas áreas?

Tradicionalmente sempre que se pensa numa responsabilidade financeira, as primeiras imagens que ocorrem são de redução de custos, de maximização de margens e de lucros, de optimização de financiamentos/investimentos e de optimização fiscal. E não estaremos muito afastados da realidade… Mas a verdade é que nada disto se alcança sem uma gestão dedicada às pessoas que são quem torna a empresa uma realidade viva. As pessoas são o mais importante activo que uma empresa tem. Uma empresa é um organismo que necessita de ser nutrido, formado e desafiado para alcançar o melhor de si e, os propósitos e objectivos que lhe são colocados. E só com o alinhamento e trabalho das suas pessoas é possível alcançar os reptos que são lançados ou que surgem, como este que vivemos. A forma como o fazemos, o foco na optimização ao invés do corte cego, a melhoria das ferramentas que permitem um aumento de produtividade, a utilização de sistemas de inteligência artificial, tudo isto e tanto mais, são óptimas conciliações das duas áreas. O segredo está na fórmula que maximiza a satisfação dos diversos stakeholders. “É importante tomar decisões com a cabeça e é imprescindível que não lhes falte coração.”

Alguma mensagem que gostaria de deixar aos líderes e colaboradores de empresas neste momento de grandes mudanças para todos?

Esta pandemia e a forma como estamos a vivê-la tem e terá um impacto profundo na forma como encaramos a saúde, o trabalho, as relações humanas, …. Estamos todos mais sensíveis para as questões da saúde e todos damos mais valor aos que nos são próximos. A economia está a sofrer um forte impacto que se agravará nos próximos tempos e, embora comecemos a sair e a viver esta “nova normalidade”, em primeiro lugar as pessoas precisam acreditar na sua segurança. Por outro lado, estes últimos tempos demonstraram que o uso da tecnologia é benéfico e pode aproximar ao invés de distanciar. E que, acima de tudo, é um elemento facilitador que acompanha esta alteração do comportamento do consumidor, que se tornou mais exigente, informado, mas mais disposto para os serviços à distância que lhe conferem qualidade de vida e imediatez no consumo. A capacidade de inovar e de se adaptar são fundamentais para a sobrevivência e acima de tudo para o crescimento. Deveremos sempre aproveitar o melhor de cada situação e aprender com ela. É exactamente isto que perseguimos com esta nova realidade no Grupo FH do d.Health!

PERMANEÇAM SAUDÁVEIS, PERMANEÇAM SEGUROS!

VISÃO: António Castro Freire, Deputy Chairman do Grupo Bensaude

Grupo Bensaude: experiência de 200 anos dá resposta aos novos desafios

Qual tem sido a estratégia do Grupo para lidar com os impactos da pandemia?

Enquanto entidade empresarial principalmente atuante na Região Autónoma dos Açores, o Grupo Bensaude tem enfrentado o momento atual com prudência e com uma atitude de solidariedade para com os seus trabalhadores, clientes e parceiros.
Antes mesmo de o Governo Regional dos Açores implementar a sua política de confinamento, foram imediatamente desenvolvidas medidas de proteção dos trabalhadores, intensificadas as ferramentas de comunicação internas (com informação detalhada sobre o COVID-19 e sobre o enquadramento das medidas internas introduzidas nesse âmbito) e preparados planos de contingência a tempo de estarem operacionais e testados pelos atores nas várias empresas envolvidas.
Iniciámos um briefing, atualizado 2 ou 3 vezes ao dia, com a descrição da situação epidemiológica regional, nacional e mundial. Interagimos, quase que diariamente, com o Governo regional dos Açores com o qual procedemos a uma troca sistemática de informação sobre os procedimentos por nós adotados e sobre as consequências económicas e sociais das medidas por este previstas e/ou deliberadas. Identificámos quais as maiores carências do Sistema Regional de saúde, tendo a nossa organização sido a primeira nos Açores a contribuir para reduzir as necessidades hospitalares, através da doação de ventiladores para os hospitais de Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Horta.
Quais foram as principais medidas do Grupo Bensaude? 

Enquanto Grupo económico com 200 anos de existência, pareceu-nos indispensável transmitir aos colaboradores confiança na organização e incentivar a sua abertura à mudança. Desenvolvemos ferramentas possibilitando a prática do teletrabalho de forma generalizada, optámos por colocar em regime de lay-off trabalhadores cuja atividade foi suspensa, antecipámos um projeto de vendas online e de entregas ao domicílio, introduzimos maior mobilidade (transitória) de trabalhadores entre empresas, antecipámos projetos cuja concretização fosse conciliável com o confinamento (desenvolvimento de sites informáticos, aceleração de obras em hotéis, introdução de novas ferramentas tecnológicas de apoio às novas práticas, nomeadamente ao teletrabalho).
O que destaca, na sua visão, para enfrentar – e comunicar – estes desafios?

A mobilização e a confiança dos colaboradores foram e são alicerces fundamentais da necessidade de adaptação ao momento atual e, quiçá, ao futuro. No CEO encontrámos inspiração, prudência, contacto e informação permanente com decisores políticos e empresariais no país e na região. No Diretor de Recursos Humanos análise rápida e ampla das políticas de manutenção dos postos de trabalho a par do diálogo com os trabalhadores mais prejudicados pela perda temporária das suas funções, na CFO estudo detalhado dos mecanismos financeiros, públicos e bancários principalmente, para reforço da tesouraria e maximização das disponibilidades, tendo em conta a incerteza que caracterizará o funcionamento da economia em geral em 2020 e 2021 e as suas repercussões sobre a economia insular. Nestes responsáveis de topo assenta a prudência da gestão. Na comunicação interna, transparente, abrangente e orientada para a proteção dos trabalhadores, reside, em boa parte, a confiança dos colaboradores. Nos demais gestores de topo, a adaptação das suas empresas e dos seus negócios, em velocidade acelerada.

E quais serão os próximos passos?
A revisão global dos investimentos e dos projetos aprovados para o período 2020 a 2022 encontra-se em curso. A esta se seguirá uma atualização da reflexão estratégica sobre os objetivos a médio prazo. O mote será o de proteger o presente e o futuro das empresas do Grupo Bensaude, acelerar a digitalização da organização, introduzir duravelmente, quando aconselhável, a prática do teletrabalho, permanecer atentos a novas oportunidades, dentro e fora da região em que o Grupo Bensaude opera.

A MY CHANGE tem como propósito apoiar processos de mudança na vertente das Pessoas e procura, neste momento único, partilhar a Visão dos que estão ao leme das organizações.
Agradecemos a contribuição de António Castro Freire e convidamos a ler as próximas.

Já fez o seu “check-in” em Gestão da Mudança?

A publicação Portal SAPO, na página “Pessoas by ECO”, indica o nosso livro “Sharing My Change – Viagem ao interior da Gestão da Mudança”, recomendado como Livro de Cabeceira.

O lançamento oficial aconteceu na semana passada, na livraria FNAC do Colombo, e teve a participação especial de alguns dos seus coautores. 

A coluna traz alguns trechos do livro, que se apoia na metáfora das viagens. Para quem se interessa por experiências de gestão da mudança relatadas por gestores, na primeira pessoa,  vale a pena ler o conteúdo. É só aceder através do link abaixo:

Fazer “check-in” na gestão da mudança

 

Lançamento do livro “Sharing My Change – Viagem ao interior da Gestão da Mudança”

Ontem foi uma noite muito especial para a equipa da MY CHANGE. Tivemos o lançamento oficial do livro “Sharing My Change – Viagem ao interior da Gestão da Mudança”.

Lançamento Sharing MC2

O evento aconteceu na FNAC do Colombo, e contou com a participação dos Coordenadores do livro, o Diretor de Recursos Humanos da TAP, Pedro Ramos, e as nossas sócias Maria João Martins e Teresa Fialho, além do jornalista da TVI José Gabriel Quaresma, responsável por mediar a apresentação.

O clima estava descontraído e atraiu alguns dos coautores da obra, nomeadamente líderes de organizações que passaram por processos de mudança com o suporte da MY CHANGE, e também curiosos que por ali passavam e cujo interesse foi despertado.

“Envolver, alinhar e mobilizar: o propósito da gestão da mudança” – KeepTalent Brasil publica artigo da MY CHANGE

O artigo, escrito pela nossa sócia Teresa Fialho, fala sobre a metodologia dos Learning Maps. Veja o conteúdo, ao qual pode aceder também nesta hiperligação!

“Trabalho há cerca de 20 anos em Gestão da Mudança e ainda hoje me encanto com a capacidade transformadora de uma metodologia – chamada learning maps – que resistiu com galhardia à passagem dos anos.

A metodologia consiste na partilha e apropriação de mensagens estratégicas da organização através de um conjunto alargado de sessões presenciais, dirigidas a pequenos grupos de colaboradores, conduzidas por facilitadores internos e suportadas num mapa especificamente construído para o efeito.

O formato é de curta duração e alto impacto: uma espécie de pílula mágica que consegue Envolver, Alinhar e Mobilizar em torno daquilo que é verdadeiramente relevante para uma organização num determinado momento.

Esta metodologia serve como metáfora e espelho da Gestão da Mudança e, por isso, sinto que é interessante e útil identificar as razões da sua eficácia até aos dias de hoje. No meu entendimento são as seguintes:

Envolve a Administração suscitando uma Sponsorização forte e convicta. Os Administradores são convidados a validar as mensagens estratégicas e a acompanhar o programa de mobilização.  Em muitos casos, estimula a definição e clarificação das mensagens estratégicas: “Será que assim se percebe qual é o caminho desejado?”, “As palavras que estamos a usar serão as mais certas?”, “Poderemos comunicar de uma forma mais inspiracional?”;

Promove o alinhamento entre líderes. A Gestão de Topo aproxima-se da Gestão Intermédia e dos líderes informais – todos formam a nova comunidade de facilitadores internos. Nas sessões de preparação de facilitadores partilham-se pontos de vista e dificuldades e gera-se um clima de grande cumplicidade entre todos, no seu papel de Agentes da Mudança;

Cria o efeito de uma “onda” mobilizadora que “varre” toda a organização, aumentando o desejo e a expetativa de todos e de cada um serem chamados a participar na construção da sua organização;

Escuta os Colaboradores, as suas dúvidas, ideias e propostas. Trata-se de um dispositivo poderoso de auscultação estruturada, que coloca o foco da inteligência coletiva da organização nas sugestões para evolução e melhoria que poderão acrescentar valor para o Futuro;

Capta inputs para desenhar Planos de Ação. Todos os diagnósticos feitos no decorrer das sessões presenciais e inscritos no mapa são aproveitados e todas as ideias e sugestões são sistematizadas, ficando prontos para se converterem em Planos de Ação globais e por área;

Amplia as mensagens estratégicas aos novos Colaboradores. O mapa/jogo tem uma utilização duradoura, pois fica como material precioso para apoiar o On-boarding dos Colaboradores recém-recrutados.

Sempre que uma organização com alguma dimensão precisa de Alinhar, Envolver e Mobilizar, ou seja, SEMPRE, há espaço para a minha empresa de consultadoria em Gestão da Mudança, propor a utilização desta poderosa metodologia.”

Teresa Fialho

Sócia MY CHANGE

Let’s Talk: Entrevista com Fred Canto e Castro

Fred Canto e Castro, jovem empreendedor português conhecido pela forma inovadora de inspirar pessoas a seguirem os seus propósitos de vida e carreira, entrevistou a nossa sócia Maria João Martins.

 

O episódio foi lançado na noite de Domingo (8) no seu canal no Youtube, e nele, podemos conhecer melhor a história da fundadora da MY CHANGE, inclusive o seu lado B. A entrevista traz muitos insights interessantes sobre propósito, através de uma história muito positiva e reveladora.

 

Não percam este conteúdo tão especial.

Para aceder à entrevista, é só seguir este link: http://bit.ly/2PrmSYR

Let’s Talk: Ser verdadeiro com o nosso propósito

A entrevista foi publicada também pela revista Human Resources, no portal Sapo.

MY CHANGE e o Innovation Scoring

A MY CHANGE congratula-se por ter superado, pelo segundo ano consecutivo, o exercício de Innovation Scoring que avalia o nosso desempenho de inovação e continuar a ser membro da Rede PME Inovação COTEC.

Agradecemos aos nossos clientes e parceiros a confiança que nos depositaram e os desafios que nos lançaram, os quais, muito contribuíram para melhorar o nosso desempenho de inovação.